- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tejo que levas as águas

Manuel da Fonseca / Adriano Correia de Oliveira
Repertório de Adriano Correia de Oliveira

Tejo que levas as águas
Correndo de par em par
Lava a cidade de mágoas
Leva as mágoas para o mar

Lava-a de crimes espantos / De roubos, fomes, terrores
Lava a cidade de quantos / Do ódio fingem amores

Leva nas águas as grades / De aço e silêncio forjadas
Deixa soltar-se a verdade / Das bocas amordaçadas

Lava bancos e empresas / Dos comedores de dinheiro
Que dos salários de tristeza / Arrecadam lucro inteiro

Lava palácios, vivendas / Casebres, bairros da lata
Leva negócios e rendas / Que a uns farta a outros mata

Lava avenidas de vícios / Vielas de amores venais
Lava albergues e hospícios / Cadeias e hospitais

Afoga empenhos, favores / Vãs glórias, ocas palmas
Leva o poder de uns senhores / Que compram corpos e almas

Das camas de amor comprado / Desata abraços de lodo
Rostos, corpos destroçados / Lava-os com sal e iodo