- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Tejo que levas as águas

Manuel da Fonseca / Adriano Correia de Oliveira
Repertório de Adriano Correia de Oliveira

Tejo que levas as águas
Correndo de par em par
Lava a cidade de mágoas
Leva as mágoas para o mar

Lava-a de crimes espantos / De roubos, fomes, terrores
Lava a cidade de quantos / Do ódio fingem amores

Leva nas águas as grades / De aço e silêncio forjadas
Deixa soltar-se a verdade / Das bocas amordaçadas

Lava bancos e empresas / Dos comedores de dinheiro
Que dos salários de tristeza / Arrecadam lucro inteiro

Lava palácios, vivendas / Casebres, bairros da lata
Leva negócios e rendas / Que a uns farta a outros mata

Lava avenidas de vícios / Vielas de amores venais
Lava albergues e hospícios / Cadeias e hospitais

Afoga empenhos, favores / Vãs glórias, ocas palmas
Leva o poder de uns senhores / Que compram corpos e almas

Das camas de amor comprado / Desata abraços de lodo
Rostos, corpos destroçados / Lava-os com sal e iodo