- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O Zé da Ti Rosa

Armando Costa / Frederico de Brito *fado cinco minutos* 
Repertório de Gil Costa

Ainda há pouco tempo vi partir p'ró mar
O Zé da Ti Rosa
E a vela branquinha como um véu de noiva
Ufana e vaidosa
Ainda há pouco tempo o vento era brando
E o mar era chão
Mas agora ruge de encontro à muralha
Como um furacão

Gaivotas voando 
Na paisagem baça
O mar quando grita 
Traz sempre a desgraça
E o sol que 'inda há pouco
Vestia o seu manto de seda vistosa
Pôs um véu de luto nas mãos da Ti Rosa

Ainda há pouco tempo o Zé ia ao leme
Já de vela erguida
Enquanto no monte a mãe acenava
Ao pé da ermida
Ainda há pouco tempo o vento era brando
E o mar era chão
Mas agora ruge de encontro à muralha
Como um furacão

Há lábios rezando
A dor esvoaça
O mar quando grita 
Traz sempre a desgraça
E o sol que 'inda há pouco
Estendia o seu manto na bruma rochosa
Pôs um véu de luto nas mãos da Ti Rosa