- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 90 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Tu ganhas sempre

Letra e música de Diogo Clemente
Repertório de Sara Correia


Chegaste hoje com tanto p’ra me dar
Parti, não quis saber, não eram horas
Tens sempre esta inconstãncia de chegar
Num dia de repente, noutro demoras

Eu sei que venho embora a contra-gosto
O corpo vem e a alma fica tua
O que era dia, em mim fica sol-posto
E o sol fica a doirar a tua rua

Tu ganhas sempre
Por te dares só às metades
Tu ganhas sempre
Por andares de amor sem dono
Faço-me forte, fujo e digo que estou bem
Não devo nada a ninguém
Muito menos vou ser tua
Depois sózinha, rezo p’las tuas vontades
P'ra que a rua delas todas
Sejam só a minha rua


A causa disto tudo, não sei bem
Passamos muitos anos lado a lado
Uns dias eras meu, outros d’alguém
Uns dias era tua, outras do fado

Não faço mais contas ao que há-de ser
Este bailar de sombra e luz na vida
Serenamente sei que vou viver
À espera que me chegues sem partida