- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

A sorte e as ruas

Linhares Barbosa / Casimiro Ramos *fado três bairros*
Repertório de Berta Cardoso

Mariquitas e José
Ambos da Rua da Fé
Casaram-se certo dia
E foram então morar
Num lindo primeiro andar
Junto á Rua d'Alegria

Quando o amor era mais cego
Ele ficou sem emprego / Surgiram fatalidades
E d'alegria que abrasa
Foram p'ra parte de casa / Ali p'rás Necessidades

Desprezados p'la família
Venderam roupas, mobília / Esta e aquela lembrança
Foram da Esp'rança p'ra Ajuda
Mas quando a sorte não muda / Nem ajuda dá esp'rança

Saíram da Boa Hora
E ela, de linda que fôra / Nem sequer dava uma ideia
Era um parzinho sombrio
Já num quarto triste e frio / Á esquina da Triste Feia

Azares, vissicitudes
Fecham a porta ás virtudes / E ele, antigo operário
Foi morar numa prisão
Por ser preso por ladrão / Lá no Beco do Vigário

Ela hoje não tem ninguém
Anda por aí, ao desdém / Da vida e da crueldade
E á noite dorme, coitada
Por favor, num vão de escada / Na Rua da Caridade