- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nosso tempo

Letra e música de Angelo Freire
Repertório de Mariza

Noutro tempo em que nós dois
Demos tudo p’ra ser tanto amor
Não sei como descrever
Os teus olhos nos meus 
Cansados da partida
Não ficamos para depois
Num tanto que se desfaz em dor
Há um dia que amanhece
E o coração esquece 
A dor da alma ferida

Não vou fechar-te as mãos nesta alvorada
Num tempo em que esta dor nos fez amar
Dar voz à tua voz tão magoada
Perdoa meu amor, quero ficar
Não vou limpar teus olhos de tristeza
Vou dar-te a minha mão, vou-te contar
As saudades que tinha na incerteza
De vencer o teu amor e teu olhar


Noutro tempo em que nós dois
Abrimos o coração p’ra ver
As lembranças que entre nós
Sobraram p’ra dizer 
Que o amor nunca morreu
Ouve agora a minha voz
Que pelo teu amor se faz viver
Deixa a noite em nós nascer
E no meu peito morrer 
A dor que em ti viveu