- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alfama

Letra de Francisco Radamanto
Desconheço se esta letra foi gravada.
Transcrevo-a na esperança de obter informaçâo credivel


Não tenham medo da fama
De Alfama mal afamada
Que a fama, às vezes, difama
Gente boa, gente honrada


Ó meus senhores, venham ver / O meu bairro estranho e belo
De povo humilde e singelo / Que sabe amar e sofrer
Venham a alma aquecer / Ao calor da ingénua chama
Da franca rudez que é flama / Desta Alfama linda e pobre
E da má fama que a cobre
Não tenham medo da fama

Vejam janelas em flor / Com vasos, roupa a corar
E uma gaiola a abrigar / Um pintassilgo cantor
Vejam trabalhos e amor / Oiçam beijos e… pancada
Aqui não vem mascarada / A vida, ao sair à rua
Nem esconde a verdade nua
De Alfama mal afamada

Neste becos, nestes trilhos / Como a miudagem medra
Os homens não são de pedra / E as mulheres não temem filhos
São bem outros os cadilhos / Que a vida ruim lhes trama
Nunca lhe atirem a lama / Dum conceito deprimente
Não o merece esta gente
Que a fama, às vezes, difama

Não sabem de outra ambição / Outro ideal de grandeza
Que, p’ra os filhos, ter na mesa / Um pedacito de pão
Se há a mais uma canção / Um Fado, uma guitarrada
Um bailarico… este nada / Põe Alfama toda em festa
E é bem feliz, então, esta
Gente boa, gente honrada