- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fora de cena

Manuela de Freitas / José Mário Branco
Rpertório de Kátia Guerreiro 

Sem a sombra que projeta à hora certa
O espaço de luz em que me exponho
Sem a voz com que a noite me desperta
Insónia em que renovo cada sonho;
No espaço de luz em que me exponho

Sem os limites a que me condeno
Na busca ilimitada de infinito
Sem a grande verdade com que enceno
A única mentira em que acredito;
Na busca ilimitada de infinito

Sem a dor partilhada com que enfrento
A solidão que me invade e desagrega
Sem essa perdição que é o momento
Da impune violência da entrega;
Na solidão que me invade e desagrega

Dispersa por sentidos sem razão
Minha alma é um fantasma adormecido
E o corpo, repousado à exaustão
Disperso, por razões, perde o sentido