- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desejo canalha

Silva Tavares / Alfredo Duarte *fado louco*
Versão do repertório de César Morgado
Este tema também aparece com o título *De cada vez que te vejo*

De cada vez que te vejo
Sinto um desejo canalha
Beijar-te e marcar-te o beijo
Co’a ponta duma navalha


Fui libertino, não nego / Que o amor me sorria
Mas vi-te, e desde esse dia / Nunca mais tive sossego
Prendeu-me o teu desapego / Co’as algemas do desejo
Agora, tão louco almejo / Desse teu corpo o segredo
Que sinto nervos e medo
De cada vez que te vejo

Nervos por tanto desdém / Medo por não me conter
E de ter que te vencer / À força, não sendo ao bem
E então, tal febre me vem / P’ra começar a batalha
Um tal delírio à navalha / Meus instintos, que te odeio
Que ao ver-te rir, sem receio
Sinto um desejo canalha

Vivo a dor dos malfadados / Que o destino afoga em lama
Já sinto os olhos em chama / E sinto os lábios gretados
Os instintos, acordados / P’las delícias que antevejo
Só premeditam o ensejo / De possuir-te, apertar-te
Prender e martirizar-te
Beijar-te e marcar-te o beijo

Marcar-to, mas tão somente / Co’a pressão da minha boca
Pois seria coisa pouca / Passava facilmente
Não marcar-te a ferro quente / Que é marca vil e não falha
Ou então, – que Deus me valha / P’la luxúria desmedida
Marcar-to, por toda a vida
Co’a ponta duma navalha