- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cabelo branco

Henrique Rego / Popular *fado mouraria*
Repertório de Alfredo Marceneiro

Mais uma noite perdida
Mais uma noite de fado
É mais um dia de vida
A recordar o passado

Amar demais é doidice / Amar de menos maldade
Rosto enrugado é velhice / Cabelo branco é saudade

Saudades são pombas mansas / A quem nós damos guarida
Paraíso de lembranças / Da mocidade perdida

Se a neve cai ao de leve / Sem mesmo haver tempestade
O cabelo cor da neve / Às vezes não é da idade
       
Pior que o tempo em nos pôr / A cabeça encanecida
São as loucuras d’amor / São os desgostos da vida

Para o passado não olhes / Quando chegares a velhinho
Porque é tarde, já não podes / Voltar atrás ao caminho