- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dentro dum barco de guerra

Gabriel de Oliveira e Linhares Barbosa / Alberto Costa *fado bragança*
Repertório de Joaquim Pimentel

Dentro dum barco de guerra
Um velho lobo do mar
Olhando terra estrangeira
Saudoso da sua terra
Tem vontade de chorar
Vendo arriar a bandeira

Pára a faina no convés
É momento de emoção
P’ra quem no mar se desterra
Pois vibram de lés-a-lés
Alma, Pátria e coração
Dentro de um barco de guerra

Relembra por sobre as águas
Esse velho marinheiro
O seu casal lá na serra
Que tristeza e quantas mágoas
No seu peito aventureiro
Saudoso da sua terra

E, já tarde, ao sol poente
A bandeira a tremular
Desce, mas desce altaneira
E o marinheiro valente
Tem vontade de chorar
Vendo arriar a bandeira