As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Leilão da casa da Mariquinhas

Linhares Barbosa / Popular *fado mouraria*
Repertório de Fernando Maurício

Ninguém sabe dizer nada
Da formosa Mariquinhas
A casa foi leiloada
Venderam-lhe as tabuínhas

Ainda fresca, e com gajé / Encontrei na Mouraria
A antiga Rosa Maria / E o Chico do cachiné
Fui-lhes falar, já se vê / E perguntei-lhes de entrada
P'la Mariquinhas, coitada / Respondeu-me o Chico, e vê-la?
Tenho querido saber dela
Ninguém sabe dizer nada

As outras suas amigas / A Clotilde a Júlia a Alda
A Inês, a Berta, a Mafalda / E as outras mais raparigas
Aprendiam-lhe as cantigas / As mais ternas coitadinhas
Formosas como andorinhas / Olhos e peitos em brasa
Que pena tenho da casa
Da formosa Mariquinhas

Então o Chico apertado / Com perguntas, explicou-se
A vizinhança zangou-se / Fez-lhe um abaixo assinado
Diziam que havia fado / Ali até madrugada
A pobre foi intimada / A saír, foi posta fora
E por mor duma penhora
A casa foi leiloada

O Chico foi ao leilão / Arrematou a guitarra
O espelho, a colcha com barra / O cofre forte o fogão
Como não houve cambão / Porque eram coisas mesquinhas
Trouxe um parte de chinelinhas / O alvará e as bambinelas
E até das próprias janelas

Venderam-lhe as tabuínhas