- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fica-te mesmo a matar

Fernando Peres / Jaime Santos *fado jaime*
Repertório de Manuel Dias

Fica-te mesmo a matar
Esse teu ar de fatalismo
Que me pretende enganar
Com seu olhar, com seu cinismo
Procura ser natural
Porque afinal tudo tem fim
Tu já me enganaste um dia
Eu não sabia, não és p’ra mim

Teus olhos nariz e boca
Que coisa louca, que coisa bela
De cinturinha afinada
Bem torneada, duma donzela
Teu andar tem tal recorte
Que é bem o porte, que me enganou
Cinzas dum amor passado
Bem acabado, mas que findou

Quero sonhar com tua imagem
Tua beleza e tua voz
Quero sonhar co’a incerteza
Do grande amor que houve entre nós
Quero esquecer o segredo
Que me faz medo, lembra traição
Pagas um dia o tributo
É esse o fruto dessa ilusão