As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Marcha do Castelo

Letra e música de Carlos Paião
Repertório de Nuno da Camara Pereira

Do alto do Castelejo, por dentro destas muralhas
Mergulho no Tejo e em tudo o que vejo
Descubro velhas batalhas
Da porta de São Lourenço, á costa deste Castelo
O tempo é imenso e em tudo o que penso
Lisboa está num chinelo

Lá vai São Jorge p’ra outra missão
Num cavalo branco, estandarte na mão
Salva a donzela, vencido o Dragão
Regressa ao Castelo d’arquinho e balão

Do alto daquela torre, os tombos que a gente deu
Que importa quem morre se a vida percorre
A estrada que leva ao céu
Aqui me vou passo a passo, no paço que foi real
Onde se fez a primeira vez
O teatro em Portugal

Entrem cristãos, é nossa a porta do Moniz
Unam as mãos para rezar como Deus quis
A cidadela sarracena percebeu
Que a santa cruz deste Castelo, já venceu

Fujam velozes pela porta da traição
Silenciosos como a nossa devoção
Se Santiago é do Castelo padroeiro
Nosso patrono é São Jorge, disse D. João I