- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sou pobre e sou rico

Bruno Bobone / António Pinto Basto *fado sodré*
Repertório de António Pinto Basto


Sou pobre e sou rico, na vida do mundo
Não quero ser mais, quero só ser profundo
Não sonho de noite nem durmo de dia
Não faço acordado, nem muito nem pouco;
Não sofro nem amo como Deus sofria
Sou esperto e sou burro, eu sei que sou louco

Sonhar é um prémio, sonhar é castigo
E eu sonho contigo e sonho comigo
Não sei se acordo quando nasce o dia
Só sei que me sinto a mim, num sonho;
Eu sei que não minto, senão eu sofria
Só eu sou culpado, a culpa em mim ponho

É bom ser feliz, mesmo que por um dia
Bate o coração em nome d’alegria
Só penso calado que pode acabar
E fico parado nem me posso mexer;
E depois eu grito “eu quero acordar”
E hei-de ser feliz com o que a vida me der

No fim, lá acordo pensativo e cansado
Porque a alegria que sentia há bocado
Não se deixou ficar, não se comprometeu
Deixou-me partir, partiu-me o coração;
Mas nada existe que me faça mais eu
Que ter sido feliz um momento, uma paixão