- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado luz

Cátia Oliveira / Manuel Graça Pereira
Repertório de Sandra Correia  

És mais do que luz de presença
És a cruz, és a cruz
Luz negra, funesta crença
Que conduz, que conduz
À tempestade das horas
Que o corpo não descansa
O sono não me chega
Tira-me a paz, o apego
E sofro as tuas horas na tasca galega

Mas eu sei bem que um dia, um dia o fado
Há-de ser voz e vida deste brado
Eu hei-de dar à luz o mundo inteiro
E apagar-te a ti logo em primeiro


Habitas o meu tempo todo
Como um vício que luz
Impulso imparável profano
Só o caos te traduz
Que as horas livres não cansam
E o corpo só te pesa quando a manhã chega
Tira-me a paz, o apego
E sofro as tuas horas na tasca galega