- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.570 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Talvez fosse

Letra e música de Pedro Fernandes Martins
Repertório do autor

Se eu soubesse quantas estrelas do céu
Vieram dizer-me adeus
Nessa hora em que parti
E tivesse o sabor de um beijo teu
Agarrado aos lábios meus
A lembrar-me o que vivi

Talvez fosse menos errante na vida
Talvez fosse mais ligeiro meu caminho
Talvez fosse menos triste a despedida
Menos triste estar sozinho... talvez fosse

Se eu chorasse como chora o céu cinzento
Nas noites mais revoltosas
Que fazem tremer o chão
E deixasse o meu mal morrer com o vento
Como morrem sempre as rosas
Quando é grande a solidão