- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Melros

Frederico de Brito / José Marques *fado rigoroso*
Repertório de Raúl Pareira

Aquele melro negro e zombeteiro
Que à beira do regato fez o ninho
Andou a assobiar o dia inteiro
A querer desafiar um pastorinho

Também soube imitar suas baladas
Do alto das ameias dos silvados
Que as pobres ovelhinhas enganadas
Perderam-se nas sombras dos valados

Assim, foi descambando a tarde fria
E o Sol guardou no mar seu rubro disco
Nenhuma das ovelhas conhecia
Qual era o bom caminho do aprisco

Quando a noite desceu e o luar brando
Pedia aos rouxinóis canções de amor
Ainda o melro andava assobiando
A rir, das ovelhinhas, do pastor

Agora, este conceito guardo apenas
Da história que me serve a mim também
Ninguém deve fiar-se em cantilenas
Há melros que assobiam muito bem