- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Há mais marés que marinheiros

Letra e música de Jorge Atayde
Repertório de Rodrigo

Tudo o que possam pensar / Lisboa tem a valer
Rapazes a suspirar / Alfama a reviver

Ardinas vendendo jornais / Castanha assada na rua
Varinas com seus aventais / E o Tejo amante da lua

Há mais marés que marinheiros
E jóias de pedras finas
Há Manéis, Pedros gaiteiros
Olhando loiras meninas;
Param junto ao Rossio
E p’las ruas do Chiado
Faça sol ou faça frio
Tempo seco ou bem molhado

Luzes toda a noite acesas / Lembrando tempos passados
Toalhas sujas nas mesas / Do tinto e dos bons guisados

Quiosques abertos à pinha / Dos que já vão trabalhar
E bebem a sua ginjinha / E um bagaço p’ra matabichar