- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Há mais marés que marinheiros

Letra e música de Jorge Atayde
Repertório de Rodrigo

Tudo o que possam pensar / Lisboa tem a valer
Rapazes a suspirar / Alfama a reviver

Ardinas vendendo jornais / Castanha assada na rua
Varinas com seus aventais / E o Tejo amante da lua

Há mais marés que marinheiros
E jóias de pedras finas
Há Manéis, Pedros gaiteiros
Olhando loiras meninas;
Param junto ao Rossio
E p’las ruas do Chiado
Faça sol ou faça frio
Tempo seco ou bem molhado

Luzes toda a noite acesas / Lembrando tempos passados
Toalhas sujas nas mesas / Do tinto e dos bons guisados

Quiosques abertos à pinha / Dos que já vão trabalhar
E bebem a sua ginjinha / E um bagaço p’ra matabichar