- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.515 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Azenha velhinha

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Manuel de Almeida


Aquela azenha velhinha
Na margem da ribeirinha
Que por vales serpenteia;
Foi testemunha impassível
Da tragédia mais horrível
Que houvera na minha aldeia

Naquela noite de inverno
O céu parecia um inferno / Estavam os astros em guerra
E a ribeira mal sustinha
A grande cheia que vinha / Pelas vertentes da serra

Vendo a ribeira a subir
O moleiro quis fugir / Levando o filho nos braços
Pela ponte carcomida
Já velhinha e ressequida / A desfazer-se em pedaços

Mas ai, a ponte quebrou-se
E o moleiro como fosse / Na cheia da ribeirinha
Levou o filho consigo
E nunca mais moeu trigo / Aquela azenha velhinha