- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Trabalhador falhado

José Fernandes Castro / Alvaro Martins *fado zirita*
Repertório de Zé Carvalho 

A provar minha eficácia
Eu já tive bons empregos;
Mordomo da dona Engrácia
Empregado de farmácia
Sempre andei como os morcegos 

 Fui chauffer particular / Dum tipo muito importante
Mas fui logo posto a andar 
Pois sempre que ia a guiar / Dava-me o sono, ao volante

Fui gerente, certo dia / Do antigo Salão Machado
O negócio não rendia
Pois de manhã não abria / E de tarde estava fechado

No futebol, tive azar / E perdi boas propostas
A bola vinha p'lo ar
No peito a quis parar / Ela pirou-se p'las costas

P'ra controlador, hei-de ir / Profissão melhor, não há
De manhã, fico a dormir
De tarde vou conferir / A produção da manhã