- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A mulher-vento

Letra e música de Carminho
Repertório da autora

A mulher-vento, é ela que canta o vento
Vem em forma de lamento
Povoar a solidão
Seu movimento traz à terra um alento
De que o mundo está sedento
Do sopro do coração

Pelas arestas, canta por todas as frestas
E nas folhas das florestas
Que buscam a luz solar
Vive escondida, é princesa prometida
Mas por karma está contida
No destino precioso de cantar

Canta nas velas, nas marés das caravelas
E nos recados daquelas
Que esperam p’ra lá do mar
É prisioneira de cantar a noite inteira
E de acender a fogueira
Que aquece a noite ao luar

E assim cantando a mulher-vento vai dando
Um sentido claro e brando
À sua vida entregar
E se eu disser que ousaria escolher
O vento desta mulher
Que nasceu para cantar