- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dois fados, Coimbra e Lisboa

Fernando Farinha / Direitos musicais reservados
Repertório de Carlos Macedo

É lindo o fado corrido / Que em Lisboa foi criado
Mas não pode ser esquecido / De Coimbra o velho fado

Quem não lembra com saudade
Esta canção consagrada
Cantada pela estudantada
Da velha universidade

Lisboa sempre bairrista / Desta simples melodia
Fez o fado mais fadista / O fado da Mouraria

Samaritana que o povo consagrou
Foi de Coimbra canção que nos ficou
E hoje o Mondego ao lembrar este fado
Chora sózinho com saudades do passado

Dois fados há, que a guitarra / Dá mais vida quando trina
Um veste cinta e samarra / O outro capa e batina

De Coimbra e de Lisboa / Suas canções afinal
São trovas que o povo entoa / E traduzem Portugal