- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Minhas penas

Fernando Caldeira / Carlos da Maia *fado perseguição
Repertório de Maria Teresa de Noronha

Como diferem das minhas
As penas das avezinhas
Que de leves, leva o ar;
Só as minhas pesam tanto
Que às vezes já nem o pranto
Lhes alivia o pesar

As minhas penas não caem
Não voam nunca, nem saem / Comigo desta amargura
Mostram apenas na vida
A estrada já conhecida / Trilhada p’los sem ventura

Passam dias, passam meses
Passa um ano muitas vezes / Sem que uma pena se vá
E se uma vem mais pequena
Ai depois nem vale a pena / Por que mais penas me dá


Que felizes são as aves
Como são leves, suaves / As penas que Deus lhes deu
Só as minhas pesam tanto
Ai se tu soubesses quanto / Sabe Deus e sei-o eu