- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Contraste

Carlos Conde / Joaquim Campos da Silva *fado estela*
Repertório de Frutuoso França


É longo e triste o calvário
De quem com arte e preceito
Gasta a vida a trabalhar
Olha p`raquele operário
Que tantas casas tem feito
E sem ter onde morar

E tantos no ano inteiro / Muitas vezes sem ter pão
Nem o calor de uma brasa
Repara nesse mineiro / Que enche o mundo de carvão
E mal tem carvão em casa

Esta sonha a paz fagueira / Numa vida calma e leda
Por ser pobre e ser bonita
Eis aqui a costureira / Que faz vestidos de seda
E veste saia de chita

Ele há quem ande engatado / Entre varais, feito lixo
Lamentando a sorte sua
Ele há tanto desgraçado / A morder o pó do lixo
Que os outros lançam à rua

Neste contraste profundo / Que se vê a cada passo
Onde a crença anda perdida
É que as riquezas do mundo / Caminham de par e passo
Com as misérias da vida