- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da desistência

Hélia Correia / António Chaínho
Repertório de Filipa Pais

Não me descubras os olhos
Não mos queiras desvendar
Toda a cor lhes fugiu / Desde que os recobriu
A sombra que saiu / Da luz do teu olhar

Não vás chamá-los mals
Que eles já não olham para trás
Não vás, deixa-os em paz,eixa-os cegar

Não levantes a minh’alma
Não lhe tornes a pegar
Longe de mim voou / E em cinzas regressou
Depois que se queimou / Na luz do teu olhar

Não vás tocar-lhe mais
Que em pó e nada se desfaz
Não vás deixa-a em paz, deixa-a deitar

Não me acordes os sentidos
Que eles não te podem escutar
Beberam do licor / Da venenosa flor
Criada ao desamor / Da luz do teu olhar

Não vás falar-lhes mals
Que eles já não estão entre os mortais
Não vás, deixa-os em paz, deixa acabar