- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Janela pobre

Carlos Conde / F. dos Santos e/ou Salvador Gomes
Repertório de Gil Costa 
*Esta versão foi confirmada pelo próprio intérprete*

Julguei que ela fosse minha
Quando a vi de aspecto fino
Debruçada à janelinha
Do rés-do-chão pequenino

Que momentos de loucura
Em passei junto à janela
Que ficava à minha altura
E à altura dos lábios dela

Janela pobre, luz de amor nobre, altar de ideais
Moldura antiga, da rapariga, que eu gostei mais
A própria vida, mesmo vivida, cheia de encanto
Não é mais bela, do que a janela, que eu amei tanto

Há tempos deixei de vê-la
A morte não traz perdão
Eu chorei junto à janela
Desse humilde rés-do-chão

Por desgraça dela e minha
Roguei pragas ao destino
Por fechar a janelinha
Do rés-do-chão pequenino