- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ah fado dum ladrão

Oscar Martins Caro / Carlos Santos
Repertório de Maria Rosa Rodrigues

Há quem diga mal do fado
Mas dizer mal, foi sempre moda
Pois ele já é cantando
Por gente da alta roda

Até mesmo a estrangeirada / Seja em Lisboa, ou noutro lado
Não pergunta por mais nada / Só quer sardinhas e fado

Nos meus tempos de fadista
Ah fado dum ladrão
Gemiam guitarras num beco bairrista
Que até nos chegavam ao coração
Era cantado nas hortas
Ah fado dum ladrão
Mas hoje, vaidoso, transpôs as portas
Do mais requintado e rico salão

Noutro tempo a fidalguia / Dava-se ao luxo, ditosa era
De passar na Mouraria / As noites com a Severa

Ouvir dizer mal, não posso / Do lindo fado que o povo fez
Pois quem diz mal do que é nosso / Não é um bom português