- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquela estrela

José Guimarães / Armandinho *alexandrino antigo*
Repertório de Joaquim Brandão

Em noite de natal, um pobre pequenito
Sentado num portal duma estreita viela
Com seu ar inocente, olhando o infinito
Prendeu o seu olhar ao brilho duma estrela

E tal como os poetas que o silêncio inspirou
A meditar ficou, pensando em sua mãe
Se é verdade que Deus para o céu a levou
Ela deve morar numa estrela, também

E rogando a Jesus, com voz de enternecer
Ele ansiou poder estar juntinho dela
Erguendo as mãos aos céus, pediu para morrer
Para poder viver também, naquela estrela

Cansado de pensar, ali adormeceu
E teve um sonho lindo, visão celestial
Agarradinho á mãe, passeou pelo céu
E sonhando passou a noite de Natal