- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.570 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cais do Sodré II

António Tavares Telles / Rodrigo
Repertório de Rodrigo

Já foi o Cais do Sodré / Dos bares, das prostitutas
Do mercado da Ribeira / Do peixe fresco, das frutas
De quem labuta ao serão / Na indústria da miséria
Da candonga do Japão / Gente má e gente séria

Meu velho Cais do Sodré
Quem te viu e quem te vê

Já foi o Cais do Sodré / D
o sacador, do polícia
Do marinheiro estrangeiro / Da facada e da carícia
Da prostituta esquisita / Que só quer gente de fora
Que ao domingo vai á missa / E é senhora aonde mora

Já foi o Cais do Sodré / Gente de bem, quem diria
Meia de leite ou café / Começo de mais um dia
O cacilheiro a chegar / Com o pessoal que trabalha
Mais uma noite a acabar / Mais um lençol ou mortalha

Já foi o Cais do Sodré / Hoje vai até Belém
Gente má e gente séria / Gente que tem e não tem
Já foi o Cais do Sodré / Da candonga do Japão
O Japão ainda é o mesmo / Mas a candonga é que não