- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Meu povo que tanto viu

João Centeio / José Marques do Amaral
Repertório de Rodrigo

Regressam tristes a casa
As pessoas da cidade
Mais velhas que a sua idade
Lembram gaivotas sem asas

Na lancheira resta o pão / Do conduto que faltou
Meu povo que o mar lavrou / Cambaleia sobre o chão

Não são Indías nem incensos / O que falta a esta gente
É qualquer de urgente / É qualquer coisa de imenso

Já foste mar e amarra / Temido, audaz, e ousado
Canta de novo o teu fado / Que ainda és mastro e guitarra

Meu povo que tanto viu / Pede ao mar que te retome
Ergue de novo o teu nome / Pois todo o sonho é navio

Enfrenta as vagas, até / Que os versos saltem velozes
Pois só poemas ferozes / Mantêm um povo em pé