- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Meu povo que tanto viu

João Centeio / José Marques do Amaral
Repertório de Rodrigo

Regressam tristes a casa
As pessoas da cidade
Mais velhas que a sua idade
Lembram gaivotas sem asas

Na lancheira resta o pão / Do conduto que faltou
Meu povo que o mar lavrou / Cambaleia sobre o chão

Não são Indías nem incensos / O que falta a esta gente
É qualquer de urgente / É qualquer coisa de imenso

Já foste mar e amarra / Temido, audaz, e ousado
Canta de novo o teu fado / Que ainda és mastro e guitarra

Meu povo que tanto viu / Pede ao mar que te retome
Ergue de novo o teu nome / Pois todo o sonho é navio

Enfrenta as vagas, até / Que os versos saltem velozes
Pois só poemas ferozes / Mantêm um povo em pé