- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Noites perdidas

Fernando Ribeiro / Georgino de Sousa *fado georgino*
Repertório de António Mourão

Noites perdidas num sonho
Em que morrendo, suponho
Que vale a pena viver
Noites em que eu me encontrei
Tão perdido que me olhei
Sem sequer me conhecer

Noites de névoa e de breu
Em que eu deixei de ser eu / Para ser quem sou agora
Noites de luta sangrenta
Da treva que me alimenta / E da luz que me devora

Noites de negras vielas
Na solidão das janelas / Olhando o mar e a lua
Noites de fogo e de frio
Quem me inundam como um rio / A transbordar pela rua

Noites do amor feito crime
Que me condena e redime / Do pecado de viver
Noites em que eu me encontrei
Tão perdido, que já sei / Que vale a pena morrer