- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Todas as mulheres

Tiago Torres da Silva / José Lopes *fado lopes
Repertório de Cristina Clara

Há uma de mim que sonha
Com juras que não te digo
E outra que se envergonha
Por ter sonhado contigo

Uma pede que eu te assuma / A outra sente desdém
Quem me dera ser só uma / Mas sou a outra também

Não aprendi a ser tantas / Não pedi este destino
Se tenho duas gargantas / Como é que não desafino?

É que eu teço a minha teia / Do final para o começo
Nenhuma delas te odeia / Gostam de ti do avesso

Como na igreja os sinos / Tocam vésp’ras ou finados
Também tenho dois destinos / E dentro deles, mil fados

Por isso, se me quiseres / Tens de me aceitar assim
E amar todas as mulheres / Que eu tenho dentro de mim