- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquela canção

Manuel Andrade / Alfredo Duarte *fado bailado em sextilhas*
Repertório de Eduardo Falcão

Ouves aquela canção?
Meu amor, que longe vão
As horas que ela nos deu
Ouves aquela canção?
Tantos sonhos nela vão
Sonhos que o vento varreu

Meu amor, naquela altura
Construímos de loucura / A mais sublime ilusão
No luar entrelaçadas 
Nossas sombras de mãos dadas / Iam naquela canção

Das sombras que baloiçavam
Só teus cabelos brilhavam / Ia longe a realidade
E teus lábios entre beijos
Murmuravam-me desejos / De amor e eternidade

Tudo foi no vento agreste
E dos beijos que me deste / Ficou a recordação
Mas às vezes a sonhar
Julgo crer tudo voltar / Ao som daquela canção