- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sendo eu Tejo e tu navio

Carlos Baleia / Daniel Gouveia *fado navio*
Repertório de Daniel Gouveia

Lisboa, que entras em mim
Na tua luz, nos teus cheiros
Nos versos que te cantaram
Onde Cesário é jardim
Teus cantadores, Marceneiros
Dos tronos que te enfeitaram

Das ruelas, dos recantos / Norberto tinha o segredo
Que ainda por ti circulam
E de mistérios e encantos / São tecidos os enredos
Que os teus anos acumulam

Há mouros pelas esquinas / E no cais vozes gentias
Relembram tudo o que és
E as gaivotas p’las colinas / São poetas, são vigias
Que te cruzam lés-a-lés

Teu Santo António nas ruas / Não sei se discursa ou não
Para os peixes deste rio
Mas, tu, que bem te insinuas / Entraste em meu coração
Sendo eu Tejo e tu navio