- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Anos a fio

Carlos Baleia / Daniel Gouveia
Repertório de Daniel Gouveia

Tomem cuidado porque agora sou poeta
Que de maneira indiscreta
Deixa cantar versos loucos
Escrevi um fado que em tom leve do corrido
Até ficou no ouvido
Dos que dizem que são moucos

Esse meu fado não canta fora de portas
Não vive nas horas mortas
Nem tem dores para chorar
É só cantiga que já não conhece briga
Nem navalha nem intriga
Mas que insiste em cá ficar

Por isso luta com o rap, o funck, o rock
E tudo o mais que se toque
Neste século vinte e um
E na disputa, este meu fado aparece
Como herdeiro que não esquece
Memórias do trinta e um

O trinta e um, duma vida assim-assim
Onde a rocha faz de mim
Mexilhão de mar bravio
Em que nenhum dos donos do que nós temos
Imagina o que aprendemos
Com o fado, anos a fio