- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se tudo muda

Fernando Campos de Castro /  Lúcio Joaquim Campos
Repertório de Susana Lopes 

Já nada tem o sabor de antigamente
E nem a gente é tão forte como era
No verão chove, o inverno é seco e quente
E o outono até parece primavera

Nada se faz como dantes se fazia
Tudo é diferente do que era no passado
E até a flor que te dou com alegria
Sendo tão bela dura apenas um bocado

Mudam os tempos, a vontade e o fazer
Muda a vida muda a forma de criar
Se tudo muda, meu amor, eu quero ver
Se também mudas a maneira de gostar

O que se come quase sempre faz-nos mal
Mesmo que digam que dá força e juventude
O que bebemos e nos dizem natural
É saboroso mas dá cabo da saúde

Há tantas coisas que não têm mais sentido
No nosso mundo que anda tão destemperado
Se até o peixe vem do mar já poluído
E nem o sal nos parece tão salgado

Mudam os tempos, a vontade e o fazer
Muda a vida muda a forma de criar
Se tudo muda, meu amor, eu quero ver
Se também mudas a maneira de gostar