- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.200 LETRAS PUBLICADAS // 2.028.600 VISITAS // Janeiro 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

.

Lisboa da madrugada

Tiago Torres da Silva / Pedro Jóia
Repertório de Joana Amendoeira 

Lisboa tem um tesouro que escondeu
Numa das setes colinas pequeninas
O fado que ela aprendeu
Mais o berço onde nasceu a canastra das varinas;
Só não tem um coração porque mo deu
Perto da Rua das Trinas

Quando Lisboa chega a casa às sete da manhã
Já o Tejo anda a pedir p’ra que Lisboa se deite
E ela não fica sozinha
Porque tem uma sardinha 
E um jarrinho de azeite;
Quando Lisboa chega a casa às sete da manhã
Ainda o fado anda a pedir aos restos da madrugada
Para o levarem a casa
Porque um grãozinho na asa 
Fê-lo esquecer a morada

Lisboa tem um segredo que contou
Ao santinho da sua predileção
Mas o menino acordou
E Lisboa transformou o segredo num pregão;
E agora que Santo António autorizou
Vai contá-lo a São João

Lisboa tem um poema que escreveu
Com a espuma azul das primeras traineiras
E o que então aconteceu
Foi que a espuma dissolveu as rimas mais verdadeiras;
E só quem as soube ler e aprendeu
Foi a alma das peixeiras