- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu hoje acordei Lisboa

Mário Raínho / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Vanessa Alves 

Eu hoje acordei Lisboa / Amuada e tagarela
Ainda havia uma canoa / Olhando a última estrela
Eu hoje acordei Lisboa, p
assei o dia com ela

Um eléctrico descia / Com gente, ao colo, sentada
Mas dentro dele não havia / Uma varina acordada
Um eléctrico descia o Combro, velha calçada

Eu hoje acordei Lisboa
Era ainda madrugada
Eu hoje acordei Lisboa
Que estava mais ensonada
Eu hoje acordei Lisboa
Ao espreguiçar-me à janela
Eu hoje acordei Lisboa
E depois chorei com ela

O Tejo chorava a lota / Que lhe fora sobranceira
Sem ouvir uma gaivota / Nem um pregão de peixeira
O Tejo chorava a lota / E o Cacau da Ribeira

Quem nasceu à beira-rio / Com cheiro e sabor de mar
Tem, hoje, a saudade, o frio / Pedras de sal no chorar
Quem nasceu à beira-rio tem amarras no olhar