- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O que sobrou da Mouraria

João Nobre / Paulo Fonseca / Rogério Bracinha / César d'Oliveira
*Gravado também com o título *Restos da Mouraria*

Repertório de Tony de Matos

Eu nasci na Mouraria
Num prédio que resistia / Ao progresso que o venceu
Um dia, tanto gingou / Por fim, não se aguentou

E de saudades morreu

Pequeno prédio gingão
Donde via a procissão / Espalhar fé, pelo caminho
E toda a gente sentia / Que as ruas da Mouraria

Cheiravam a rosmaninho

Naquela casinha morou a Severa no tempo passado
E o alegrete, fidalgo que era vizinho do fado
Mas em cada esquina um resto de outrora, a vida deixou
E na capelinha mora uma senhora que não se mudou

Eram ruas estreitinhas
Grinaldas e janelinhas / Á beirinha do telhado
E a tal Rua dos Canos / Era a Rua dos Enganos
Morava ali o pecado

Quando abria o vinho novo
Esse champanhe do povo / Que barulho e alegria
Havia ramos de louro / A anunciar o tesouro
P'las tascas da Mouraria