- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

O que sobrou da Mouraria

João Nobre / Paulo Fonseca / Rogério Bracinha / César d'Oliveira
*Gravado também com o título *Restos da Mouraria*

Repertório de Tony de Matos

Eu nasci na Mouraria
Num prédio que resistia / Ao progresso que o venceu
Um dia, tanto gingou / Por fim, não se aguentou

E de saudades morreu

Pequeno prédio gingão
Donde via a procissão / Espalhar fé, pelo caminho
E toda a gente sentia / Que as ruas da Mouraria

Cheiravam a rosmaninho

Naquela casinha morou a Severa no tempo passado
E o alegrete, fidalgo que era vizinho do fado
Mas em cada esquina um resto de outrora, a vida deixou
E na capelinha mora uma senhora que não se mudou

Eram ruas estreitinhas
Grinaldas e janelinhas / Á beirinha do telhado
E a tal Rua dos Canos / Era a Rua dos Enganos
Morava ali o pecado

Quando abria o vinho novo
Esse champanhe do povo / Que barulho e alegria
Havia ramos de louro / A anunciar o tesouro
P'las tascas da Mouraria