- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Desejo infantil

Tó Moliças / Popular *fado das horas*
Repertório de Rodrigo

Sem ver que os anos consomem
As ilusões lentamente
Desejei infantilmente
Crescer, ter barba e ser homem

Paraíso de ternura / É o mundo da criança
Que brinca com a doce esperança / Com a bondade e com a ternura;
Sem pensar na desventura / Que o homem tem, por ser homem
Neste mudo de desordem / De ilusões e desenganos
Brincam dias, brincam anos / Sem ver que os anos consomem

Consomem a felicidade / De ser sempre pequenino
Como é o Deus menino / E dão a rivalidade
A inveja e a maldade / De ser mais, de ser diferente
E matam constantemente / A pureza, a gratidão
E apagam no coração / As ilusões lentamente

Como criança que chora / Por um estranho brinquedo
Eu quis um dia, sem medo / Marchar p'los anos fora
Desgosto que me devora / E me abate tristemente
Quis ser grande e quis ser gente / Quis dar mimo e dar carinho
E ter um dia um paizinho / Desejei infantilmente

Que o mundo fique parado / Que os filhos não cresçam mais
P'ra não haver nunca mais / Um Jesus crucificado;
Oh meu Deus idolatrado / Dá a tua divina ordem
P'ra que um dia se transformem / Os caprichos do destino
P'ra nunca mais um menino / Crescer, ter barba e ser homem