- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Feira de Castro

Paulo Abreu Lima / Rui Veloso
Repertório de Mariza

Eu fui á Feira de Castro / P'ra comprar um par de meias
Vim de lá c'umas chanatas / E dois brincos nas orelhas

As minhas ricas tamancas / Pediam traje a rigor
Vestido curto e decote / Por vias deste calor

Quem vai á Feira de Castro

E se apronta tão bonito
Não pode acabar a feira

Sem entrar no bailarico;
Sem entrar no bailarico

A modos de bailação
Ai que me deu o fanico

Nos braços dum manganão

Vai acima, vai abaixo / Mais beijinho mais bejeca
E lá se foi o capacho / Deixando o velho careca

Todo o testo tem um tacho / Mas como recordação
Apenas trouxe a capacho / Que iludiu meu coração

Eu fui á Feira de Castro / Eu vim da Feira de Castro
E jurei para mais não