- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ó meu amigo João

Jorge Fernando / Popular *fado corrido*
Repertório de Fernando Maurício

Ó meu amigo João
Em que terras te perdeste
Se por nada lá morreste
Meu amigo, meu irmão

De nascença duvidosa / Proíbiram a tua infãncia
Transformaram-te em distãncia / Como braços de alcançar

Foste folha a flutuar / Arrastada p'la corrente
E o teu sangue foi semente / Dos cifrões doutro lugar

Gostavas de ouvir cantar / As modas da nossa terra
E a verdade que ela encerra / No seu jeito popular

Teu corpo de tudo dar / Corre nas veias do mundo
Imenso, fértil, fecundo / Com força de terra e mar

Ponho em ti o recordar / Na agrura da tua morte
Por sobre o sangue a gritar / Que não foi azar nem sorte

E a força do vento norte / Levou teu grito na mão
Meu amigo, meu irmão / Quem forçou a tua sorte