- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado livre

Jerónimo Bragança / Nóbrega e Sousa
Repertório de Tony de Matos

Perdi o teu amor, há mais amor por esse mundo
Um cais é de chegar e de partir
Viver devia ser, não ter amarras, vagabundo
Chegar, sorrir, olhar e prosseguir

Perdi o teu amor, não sou capaz de guardar nada
Sei lá quantas perdi até aqui
Mas fui, fomos os dois uma loucura desvairada
Depois, não sei porquê que te perdi

Amarras entre nós
Prendem a força do amor
Sou livre como o vento sem quadrantes
Aqui, ali, além
Amar seja quem for
Mais livre, meu amor, do que era dantes


Perdi o teu amor, dexá-lo ir por aí fora
Um cais é de chegar e de partir
Amar devia ser, não ter amarras, ir embora
Voltar, sorrir, olhar e repetir

Perdi o teu amor, há mais amor em qualquer lado
Raiz que não morreu dá sempre flor
Verás teu corpo-chão por tantos beijos meus, lavrado
Voltar a renascer de cada amor