- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Evocando o passado

Domingos Gonçalves Costa / Francisco Carvalhinho
Repertório de Fernanda Maria

Gostava de ir contigo à noite, à Mouraria
P'ra reviver saudosa os restos do passado
Pois desde a Amendoeira, até à velha Guia
Em tempos que lá vão, reinava ali o fado

Levarei o meu xaile e tu vestes samarra
Dois símbolos de fé do fado de outra era
E ali no Capelão ao som duma guitarra
Canto como quem reza, os fados da Severa

Depois, juntos os dois, à luz da branca lua
Um rosário de penas iremos desfiar
Cantando um fado triste, ali em qualquer rua
Daquelas, onde agora, a dor anda a cantar

E antes que nasça o sol, em romagem singela
De viela em viela, em doce melodia
Iremos, braço dado, até junto à capela 
Cantar cheios de saudade o fim da Mouraria