- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Teu lindo nome

Letra e música de José Niza
Repertório de Joana Amendoeira 

Teu lindo nome é Lisboa
Flor de Liz, céu de Lisboa
Onde a saudade esvoaça
Numa gaivota que voa
Há todo o tempo que passa
Entre Camões e Pessoa

Posso chamar-te saudade / Miragem de um barco ao longe
Como a tristeza que foge / Das marés do coração

Podes ter nome de estrela / Ou de amor, ou de ilusão
De um sonho a que não se chega / Por mais que se estenda a mão

Posso chamar-te alegria / Do pão, do vinho e canções
Pão-nosso de cada dia / Com fermento de ilusões

Há um apelo do mar / E no Tejo uma algazarra
Há sempre um barco a partir / Das cordas de uma guitarra

Lisboa, de noite e dia / Finge tão completamente
Que chega a ser alegria / A dor que deveras sente