- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado calão

Carlos Zamara / Pedro Rodrigues
Repertório de Manuel Romão  

No Palácio Conde Andeiro
Dia 6 do mês corrente
Num velho surdo sentado
Escrevo-te e quero primeiro
Que estejas bacanamente
Já que eu me encontro encanado

Com a fresca no bastelo / Vou escrever-te esta falha
Pra que te ponhas a fanco
Pois deu de cabra, o camelo / A quem eu palmei a tralha
E manjou que era manco

Traz-me  uma tábua noviça / E tinhosas pra manjar
Vem cá tu mais a chavala
Traz um pintor embutido / Nos calcantes entre as solas
Que é pra eu pagar a sala

Se a bófia te dechávar / Não dês à morte o artilho
Enrusca na clarante
E se o pasma te manjar / No caso de dar estrilho
Está no piano a fugante

Monta-te bem nas canetas / Quando vieres para cá
Passa pelo invejoso
Vou terminar estas letras / Recebe pois querida H
Um chocho do teu manhoso