- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Voz do fado

Fernando Farinha / Casimiro Ramos *fado pinóia*
Repertório de Fernando Farinha 

Há quem afirme que o fado / Com voz, tem pouca intenção
Quanto a meu ver, o cantar / Só na voz tem tradução
No fado, ou qualquer canção / Seus fiéis cultivadores
Só nos mostram ser cantores / Vibrando num grito d'alma
Dizer é arte de talma
É domínio dos atores 

Há quem não tenha garganta / E dê ao fado, expressão
Mas a voz que se levanta / Tem muito mais coração
O hino d'uma nação / Estando ao coração ligado
Quando p'lo povo é cantado / É sempre com voz soante
Um hino, p'ra ser vibrante
Nunca pode ser falado 

O mesmo acontece ao fado / Que nasceu p'ra se cantar
E não p'ra 'star amarrado / Ao peito que o quer soltar
Cantar é saber vibrar / Com voz, com alma e ralé
Grito d'esperança e de fé / Bem arrancado do peito
Fado falado a preceito
Só o cantou Villaret