- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

O que eu sonhei

Carlos Conde / Alfredo Marceneiro
Repertório de Maria Augusta 

Sonhei a noite passada
Com as antigas ramboias
De que tanto oiço falar
Tinha acabado a toirada
E batiam-se as tipóias
P’ra as bandas do Lumiar

O meu faia, de samarra
E eu de chaile de tricana / Resolvemos ir prás hortas
Peguei na minha guitarra
E uma velha traquitana / Levou-nos fora de portas

Abancamos numa tasca
Orgulhosos, sobranceiros / Com a lira a dar nas vistas
No meio de gente rasca
De fidalgos, de toureiros / De boémios e fadistas

Cantou-se até ao alvor
E a festa do Lumiar / Findou como era costume
Uma cantiga de amor
Um canjirão pelo ar / E uma cena de ciúme

Um fidalgo alto, imponente
Defendia uma mulher / Da navalha dum rufia
Nisto acordei, de repente
Com pena de não saber / 
Como o resto acabaria