- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu sou o fado

Lopes Vitor / Francisco Carvalhinho
Repertório de Beatriz da Conceição 

Nasceu a nuvem do mar / E o sol nasceu para o dia
E eu nasci p’ra cantar / O fado da Mouraria

Sempre que o canto, Senhor / Minh’alma chora saudade
Ai saudade é mal d’amor / P’ra quem fica a ansiedade

Eu sou do fado, viver sem ele não posso
E porque é meu fado
Rezo ao fado um padre-nosso
Eu sou do fado, deste fado, quem diria
Que embarcou nas caravelas
E voltou à Mouraria
Eu sou do fado já levado lá p’ra fora
P’lo turista que o canta
E às vezes também o chora
Eu sou do fado que dizem ser fatalista
Sou do fado assim gingado
Sou do fado, sou fadista

Quando a noite veste o manto / E esta Lisboa adomece
Renasce em mim o encanto / Da vida que me entontece

Todos nós temos um fado / Que nos marcou ao nascer
Se no fado tenho andado / No fado quero morrer