- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Quando em Lisboa

Rui Manuel / Martinho d'Assunção
Repertório de Casimiro Silva

Quando em Lisboa amadurecem as guitarras
E a madrugada se entre-olha à luz de velas
A solidão è uma sombra que devora
As outras sombras que percorrem as vielas;
Quando em Lisboa amadurecem as guitarras
O fado parte como o Tejo, barra fora

Quando em Lisboa anoitece
O Bairro Alto parece
Chamar Alfama num convite à desgarrada
Se a Mouraria o aceita
A Madragoa aproveita
Lisboa já não vai dormir, fica acordada

Quando em Lisboa o silêncio è um poema
E descobrimos que as palavras somos nós
Só nos amantes pode haver intimidade
Igual ao som duma guitarra e uma voz;
Quando em Lisboa o silêncio è um poema
O fado diz que tomou conta da cidade